Não perca nenhuma novidade, cadastre-se em nosso blog !
Assinar agora
Não perca nenhuma novidade, cadastre-se em nosso blog !
Assinar agora

Aumento na frequência cardíaca, aumento na frequência respiratória, boca seca, sensação de falta de ar, medo de morte iminente, crises de medo agudo de modo recorrente e inesperado. É isso que sente um portador da síndrome do pânico.

As causas dessa síndrome são as mais adversas. A ciência acredita que existe um conjunto de fatores que desencadeiam este transtorno, como: Genética, estresse, temperamento forte e suscetível ao estresse e mudanças na forma como o cérebro funciona e reage a determinadas situações.

Estudos indicam que a resposta natural do corpo a situações de perigo esteja diretamente envolvida nas crises de pânico. Mas, no caso desta síndrome, os ataques ocorre em situações nas quais não há qualquer evidência de perigo iminente.

Como explicar?

Como conter algo que você sente sem ao menos passar por um susto sequer?

A síndrome do pânico é uma doença, que não é muito bem compreendida por muitas pessoas. Não há como explicar o que se passa na mente de uma pessoa no momento de uma crise.

O desespero vem a tona, o raciocínio lógico se vai com o vento, sem dar chance para o cérebro enxergar que a pessoa está passando por aquilo, muitas vezes, sem necessidade alguma.

Isso torna a crise cada vez mais forte, não conseguir pensar, não conseguir se acalmar com as próprias forças. E isso torna a pessoa insegura de viver, de sair, de socializar. Ao mesmo tempo quer sair e ver amigos, mas quando está entre eles vem uma sensação de sufocamento. Isso faz com que a pessoa fique fechada para os outros, e consigo mesma.

A solidão na síndrome do pânico vai além de se sentir sozinho, pois a pessoa deseja estar sozinha, por medo de algo que só está na cabeça dela.

A pior coisa que se pode fazer ao ser humano, é tolher sua liberdade, impedir de fazer o que ele gostaria de estar fazendo.

O efeito dessa doença faz, exatamente, esse papel e muito bem feito.

Uma pessoa que sabe que é rodeada de amigos, mas se sente solitária, é uma pessoa triste e sem ânimo pra fazer o que ama fazer. Todos nós precisamos de aliados na vida e, estar só, faz com que sintamos longe de tudo, até dos nossos sonhos.

Mas a vida tem sempre o remédio certo para as horas certas e, se costuma dizer que a vida nos surpreende. Neste mundo, qualquer um, em algum dia, passará por tempos ruins.

Alguns se resolvem de um modo bastante fácil e, outros já demoram um pouco para resolver as questões da vida. Depende da importância que se dá.

E você, está dando importância para o que realmente é necessário? Para aquilo que realmente merece sua atenção?

A vida sempre nos surpreende. Saber se comportar adequadamente e nos momentos certos poderá ser o caminho para a cura desse mal.

Ademais, recomenda-se a procura imediata pelo auxílio médico.

Com o auxílio médico, os diagnósticos de melhora serão certeiros. Junto com este virá a qualidade de vida e, por conseguinte o convívio social outrora perdido.

 

Por Matheus


Leia também: Histórico de depressão na família.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here